A Minha Casa, o Meu Recreio!

O bem-estar psicológico não tem de ser sazonal: o Outono é apenas só mais uma estação do ano e não tem necessariamente de retirar nada ao bem-estar dos seus filhos e da sua família.

A chegada do Outono representa, na maioria das vezes, uma necessidade de se redefinirem uma série de rotinas, não só no que diz respeito à escola, aos horários de estudo, mas também aos tempos de lazer. O Outono traz sempre consigo o fim de uma série de atividades que só o bom tempo nos permite: os banhos de sol, os castelos de areia, os mergulhos no mar, os desportos na areia, os picnics… enfim, uma infinidade de atividades que tanto gostamos de fazer e que tão bem fazem ao nosso equilíbrio e saúde mental. Precisamente pelo facto do Outono representar o final de todas estas possibilidades, não é difícil os mais pequenos (e até os mais crescidos) deixarem-se invadir por uma certa nostalgia e melancolia e renderem-se ao célebre pensamento “acabou-se o bem bom”, verdade? A boa notícia é que não tem de ser necessariamente assim (até porque, convenhamos, era o que mais nos faltava agora o nosso bem estar depender de uma estação do ano). Muda a estação mudam-se as atividades (nunca, o nosso tempo de lazer e bem-estar). A sua casa, pode muito bem ser um excelente recreio. Um verdadeiro palco de brincadeiras.


Obviamente, as estações mais frias implicam um ajustamento de atividades que só o bom tempo nos permite e, por vezes, reinventar os tempos de lazer dos mais pequenos nesta época pode tornar-se um verdadeiro desafio e parecer-nos que todo o tempo de lazer está entregue aos tão requisitados, jogos de computador. Contudo, existem uma série de outras possibilidades muito atrativas e divertidas, com muitos benefícios para o bem-estar psicológico dos mais pequenos. Deixo-lhe algumas sugestões para transformar a sua casa num recreio, num espaço de lazer:

 

  • Puzzles: são uma excelente atividade que pode não só envolver os mais pequenos, como toda a família. São excelentes ao nível da promoção cognitiva e muito divertidos de realizar. Aqui podem também entrar os legos, que são excelentes para estimular a criatividade.

 

  • Karaokes: Hoje em dia existe no mercado oferta neste sentido, mas trata-se de uma atividade que podemos fazer mesmo sem este material. Basta um computador com acesso à internet e de repente, as aptidões vocais da família toda entram em jogo. Uma atividade que proporciona muitas gargalhadas e é excelente do ponto de vista cognitivo, porque treina a capacidade de memória, o sentido rítmico, etc.

 

  • Jogos de cartas: Hoje em dia existem vários e ajustados a diferentes idades, desde o jogo de cartas tradicional, até outros jogos como o Uno, jogos de memória, etc. Dentro dos jogos, temos ainda os jogos de tabuleiro como possibilidade (o Monopólio, a Trivial Pursuit, o Scrabble, entre outros).

 

  • Pinturas: atualmente, cada vez mais existe oferta não só para crianças como também para adultos. Já ouviu falar em mandalas? Porque não pintar uma mandala em formato A3 em família? Pode muito bem transformar-se numa moldura para pendurar na sala lá de casa.

 

  • Acampamentos: sim claro, porque não? Está mau tempo? Quem disse que os acampamentos têm de ser só ao ar livre? Podem muito bem serem feitos no chão da sala lá de casa, uma noite. Basta toda a família preparar o evento (escolher jogos, músicas para cantar, histórias para partilhar, etc). A força de vontade e a criatividade são o limite.

 

  • Campeonatos de anedotas: podem partilhar anedotas em família. São atividades que para além de divertidas, são uma excelente forma de trabalhar o sentido de humor e a capacidade de comunicação. Para além de anedotas, podem também contar histórias, ler contos, fábulas e depois trocarem impressões sobre o que foi partilhado.
     

Estas são apenas algumas sugestões, mas existem uma infinidade de possibilidades. Pode inclusivamente pensar em jogos da sua própria infância, que gostava de jogar e tentar ensiná-los aos seus filhos. Da mesma forma, pode estar recetivo/a aos jogos que os seus filhos souberem e que podem partilhar consigo. Assim, partilham-se aprendizagens e bons momentos em família.


Por todas estas razões, lembre-se: o bem-estar psicológico não tem de ser sazonal! O Outono é apenas só mais uma estação do ano e não tem necessariamente de retirar nada ao bem-estar dos seus filhos e da sua família. Tudo o que é preciso é reajustar, adaptar. Os tempos de lazer de qualidade são para serem vividos 365 dias por ano!

Texto escrito para a B de Brincar por

Sandra Azevedo

Psicóloga Clínica

 

Tags:

Deixe um Comentário

Captcha